Ainda que você não seja um aficionado por desportos de aventura já deve ter ouvido falar em trekking. Muitas dúvidas surgem quando falamos do assunto:

  1. É muito difícil?
  2. Todos podem fazer?
  3. Precisamos de ter preparação física de um atleta?

Vamos então ao significado da palavra… Trekking é uma palavra de origem sul-africana que significa seguir um trilho. Não é alpinismo, não implica escalada – apenas caminhar, o exercício mais natural do mundo. Com alguns cuidados no que diz respeito a vestuário, peso a transportar e aclimatação, qualquer humano saudável pode percorrer caminhos na natureza.

Como regra geral, diz-se que o trekking não vai além dos 6.000 metros de altitude, já que a partir daí é necessário conhecer algumas técnicas especializadas que ultrapassam em muito o simples “seguir um trilho”, como o eventual uso de crampões ou encordagem.

O essencial para caminhar é um bom calçado. É um grande erro fazer um trekking de botas novas ou levar calçado de alta-montanha para um trilho de piso fácil e sem grandes declives e é tão mau como fazer de sapatilhas um caminho muito irregular ou com neve. Um pouco de bom senso e umas botas usadas, leves e com um bom apoio de tornozelo são essenciais para não andarmos a coxear monte acima transformando um prazer num pesadelo.

A roupa também tem de estar de acordo com o clima e a situação: peças usadas, quentes ou frescas e, no caso de um trekking de montanha, várias camadas sobrepostas que as temperaturas baixam sempre ao cair da noite. A única coisa que se deve levar em quantidade é roupa interior e meias. Quanto ao resto, uma muda (ou duas) de calças e de camisolas de manga curta, outra de manga comprida, e sempre um casaco impermeável corta-vento.

Os materiais mais técnicos, leves e transpiráveis, são também mais caros mas uma boa mais-valia. Não esquecer nunca o creme e o baton com protetor solar, assim como proteção para a cabeça e uns óculos de sol. E mesmo que a caminhada dure apenas duas ou três horas, não se afaste sem água e algumas barras de cereais, são coisas que não pesam mas salvam vidas.

Para levar tudo isto é necessário uma mochila confortável e com boa regulação das alças de apoio à nossa medida e ao contrário do que muita gente parece pensar, a coisa menos importante é a cor. Pequeno truque: não compre uma mochila grande, que a tendência vai ser sempre para a encher. Para um trekking de um dia com regresso ao ponto de partida uma mochila pequena (máximo 20 litros) será o suficiente para transportar confortavelmente a água, comida e agasalho.

Para um percurso mais longo e duro e até de vários dias, uma mochila maior (45 litros) para transportar mais alguma roupa e comida e neste caso convém estar em forma, e o melhor treino para caminhar é subir e descer escadas. No caso de caminhadas no estrangeiro, é sempre mais fácil levar de casa os medicamentos mais comuns ou que usamos todos os dias, sem esquecer um punhado de pensos próprios para ferimentos causados pelo calçado, e um desinfetante para alguma queda ligeira ou arranhadela.

Os principais problemas que surgem durante um trek estão relacionados com quedas ou pés torcidos; aconselha-se muita atenção ao caminho e evitar saltos audaciosos.

OS MELHORES CONSELHOS SÃO:

  • Não partir sozinho;
  • Caminhar devagar e com atenção ao piso;
  • Beber muitos líquidos;
  • Baixar o consumo de proteínas e aumentar os hidratos de carbono (menos carne e mais farináceos);

 

COMO INICIAR?
– Para iniciar a prática de caminhadas na natureza, basta estar com a saúde em dia;
– Procurar agências ou grupos de amigos, que realizam este tipo de atividade;
– Procurar na sua cidade ou região agências ou grupos e façam experiências com caminhadas mais leves e curtas no início;

Além de realizar este contacto com a natureza o trekking permite fazer muitos amigos!

Strike Tours - Agência de Viagens com RNAVT nº 6588 e RNAAT nº 115/2010 © Todos os direitos reservados