Sem desculpas para ficar em casa

Com a chegada do inverno, temperaturas baixas, chuva, ventos frios não parecem ser as condições ideais para dar um passeio ao ar livre. O inverno é um excelente momento para a prática do trekking e não só é possível como tem as suas vantagens: trilhos menos movimentados, a beleza da natureza, esvaziar e descansar a mente e fomentar um trabalho muscular mais potente e enérgico.

Quando está frio, a temperatura corporal pode ser regulada mais facilmente, ao contrário do que acontece nos dias de calor, em que esta sobe quando se caminha, o que faz com que o corpo receba o dobro da dose de calor.

Caminhar no inverno pode ser muito mais rentável fisicamente do que fazê-lo em alturas de maior calor. O teu corpo põe-se em movimento quase imediatamente para se livrar do frio, o que te levará a caminhar num ritmo muito mais rápido e contínuo, e acelerar com maior frequência.

Isto implica um trabalho muscular mais exigente e, portanto, queimará mais calorias do que numa sessão noutra época do ano. Uma vez quente, o teu organismo irá permanecer ativo e em movimento para manter a temperatura, o que faz com que liberte endorfinas, hormonas responsáveis por uma sensação de euforia, entusiasmo e bem-estar, fazendo diminuir o mal-estar provocado pelo frio.

Contudo há alguns aspetos a ter em conta, pois ainda existem pessoas que não se equipam convenientemente para enfrentar o inverno. O erro mais comum das pessoas é acreditar que a quantidade de casacos é que faz com que se mantenham quentes, quando na verdade é a qualidade do casaco. Alguns insistem em levar casacos de tecido, sweats, camisolas de lã, meias de algodão e outros equipamentos que no nosso dia a dia na cidade funcionam muito bem, mas na montanha, longe dos confortos da civilização, agravam a sensação de frio e “oferecem” ao mais desprevenido alguma hipotermia.

Lembra-te de manter a tua temperatura corporal constante; veste várias camadas de roupa, desde os interiores, suaves e transpiráveis, até aos exteriores, que protegem contra a humidade e o vento.

Vestir por camadas

Se as temperaturas estiverem muito baixas, provavelmente irás sentir frio logo no início do trilho! Mas, após 10 a 15 minutos, já irás começar a sentir o sangue a circular pelo corpo! Devido a esta mudança de temperatura, vestires-te de maneira apropriada é muito importante para manter o conforto durante a caminhada.

Caso o plano passe pela subida de uma montanha, lembra-te que no topo as temperaturas costumam ser muito mais baixas e, desta forma, deves estar preparado para todas estas situações durante o percurso planeado. A forma mais correta de te vestires para os trekkings é utilizar a ideia de camadas, assim irás garantir a retenção do calor do corpo e a proteção à humidade e ao vento.

Deves também evitar peças de vestuário de algodão, se o tecido se molhar não te irá proteger mais das baixas temperaturas, provocando até mesmo risco de hipotermia caso o frio seja intenso. A melhor opção é investir em roupas impermeáveis, o que é muito importante para não permitir a passagem de humidade ou água.

Outros acessórios também muito importantes para os trekkings no inverno são os gorros, luvas e cachecol. Caso não sintas a necessidade de sair de casa usando estes acessórios, leva-os na mochila, pois pode ser que ainda vás sentir a falta deles mais tarde!

Manter os pés quentes

Para que os teus pés se mantenham quentes durante todo a percurso, um bom par de meias de trekking são muito importantes também. Elas não servem apenas para aquecer os pés, como também evitam bolhas e suor, retendo calor e secando rapidamente.

Para evitar lesões, o calçado ideal para o trekking deve ser mais alto do que o tornozelo e, em alguns casos, como em dias de neve e com muita humidade, o uso de polainas impermeáveis também é recomendável para evitar que a humidade passe para o interior do calçado. Convém, também levar um par de meias extra, a probabilidade de vires a precisar delas são altas, especialmente se estiveres a pensar fazer uma caminhada um pouco mais intensa.

Proteger do sol

Não te deixes iludir pelas baixas temperaturas. O sol de inverno gera radiações ultravioleta suficientemente potentes para causar queimaduras, envelhecer a pele e aumentar o risco de cancro da pele. Aplica, nas zonas expostas (sobretudo no rosto), um protetor solar e, depois, uma camada de hidratante.

 

Sair de casa preparado

Antes de sair de casa, avalia sempre a previsão do tempo e pesquisa sobre as características da zona do percurso. Confere também a velocidade do vento, se existe possibilidade de avalanches e hora do nascer e pôr do sol! O ideal é que estejas preparado para iniciar o trekking logo de manhã cedo, pois o sol põe-se muito mais cedo nos meses de inverno e cehar ao final do percurso antes que escureça é muito importante para evitar acidentes ou que te percas.

No pico do inverno, a formação de neve pode ser frequente em algumas regiões onde o frio costuma ser mais intenso. Alguns sítios podem até estar encerrados e não ser possível passar. Para evitar estas situações, procura fazer caminhadas em terrenos menos elevados. Se estiver muito gelo e terrenos escorregadios, deves usar equipamentos específicos para manter o equilíbrio, como crampons e bastões de caminhada. Mas, não esquecer que é preciso que saibas usar este tipo de equipamentos!

Existem alguns acessórios básicos que poderás encontrar na mochila de alguém experiente em trekkings de inverno, como um pequeno kit de primeiros socorros, uma bússola, um mapa, uma faca de bolso e uma lanterna de cabeça. Uma boa dica é dividires os acessórios mais pesados com os outros membros do grupo.

Se as condições dos trilhos não forem muito fáceis, é necessário que as pessoas que te acompanham nesta aventura sejam experientes. Não menos importante é que alguém do grupo conheça o trilho e que todos tenham preparação física para completá-lo!

 

A alimentação é essencial para combater o frio

Caminhar no inverno, especialmente na neve, pode queimar muitas calorias. Fazendo uma comparação com os dias de verão, é possível queimar 50% de calorias a mais no mesmo período de caminhada! Por isso, para além de sentires muito frio também é possível que sintas fome.

Deves levar contigo algumas barras energéticas, mas cuidado com alimentos que podem congelar.  Não esquecer a água, pois o teu corpo não precisa apenas de calorias, mas de hidratação também. A desidratação no inverno é mais perigosa do que no verão, já que pode causar hipotermia e queimaduras de frio na pele. Uma dica é levar a água dentro de uma meia para evitar que congele e se a tua caminhada for mais demorada, leva contigo alguns copos térmicos com bebidas quentes, como chás ou até mesmo sopas.

Nunca ir sozinho

Se é a primeira vez que fazes trekking no inverno, escolhe um lugar que conheças bem ou, melhor ainda, escolhe um guia experiente. Há mais segurança quando se tem companhia, então nunca vás sozinho. Não terás ninguém para partilhar as memórias já para não falar que é bem mais divertido ir com amigos!

Que tal fazer um trekking com a Strike Tours?

O ideal é que esteja acompanhado sempre de guias experientes, que já tenham feito o trekking anteriormente. Uma das formas mais seguras de praticar esta modalidade é fazê-lo com uma agência especializada ou com algum grupo organizado.

Uma das vantagens de fazer um trekking com a Strike Tours, é o acompanhamento que é feito, aonde é possível avaliar de forma correta e segura o ritmo da pessoa, as suas necessidades e dificuldades durante o trekking. Mesmo contando com o auxílio dos guias, é importante prestar atenção no caminho e nas soluções dadas aos problemas que surgirem para aprender a caminhar em ambientes naturais.